Press "Enter" to skip to content

CIA & MI6 juntos formularam dossiê ‘científico’ apontando encobrimento do Covid-19 pela China – como Ocidente prepara-se para exigir COMPENSAÇÃO de Pequim

Uma visão aérea mostra o laboratório P4 no Wuhan Institute of Virology em Wuhan, China. 17 de abril de 2020 AFP / Hector Retamal

O desejo do Ocidente de culpar a China (e provavelmente pagar a conta também) pela pandemia de Covid-19 teria sido encarnado em um dossiê de 15 páginas compilado por agências de inteligência, que agora vazou, de acordo com relatos.

O documento, descrito pelo jornal australiano Sunday Telegraph, foi preparado por “governos ocidentais preocupados.” A publicação menciona 5 agências de inteligências estão investigando a China, apontando para os Estados Unidos, Austrália, Nova Zelândia, Canadá e Reino Unido.

Os autores da pesquisa encontraram maneiras bastante estranhas de pintar a resposta da China ao surto de uma forma negativa e até mesmo sinistra. Por exemplo, apesar de um requisito presumido de brevidade em um artigo tão curto, refere-se a um estudo que alegou que o coronavírus assassino tinha sido criado em um laboratório.

O consenso da comunidade científica diz o contrário, recordando que a inteligência dos EUA se posicionou concordando com esta posição anteriormente. Uma outro suposição anterior onde se apontava a hipótese de vazamento do vírus do laboratório de Wuhan foi retirada porque não havia nenhuma prova direta que apoiava a teoria, como seu próprio autor o pesquisador chinês Botao Xiao reconheceu. Mas as informações do chinês tornaram-se uma ferramenta chave para uma menção, pelo que parece.

Uma grande parte do documento é aparentemente dedicada ao Instituto de Virologia de Wuhan e a um de seus principais pesquisadores, Shi Zhengli, que tem uma longa e distinta carreira de estudar coronavírus e morcegos como SARS como seus reservatórios naturais. Parece que o dossiê não está interessado na base de dados de vírus relacionados com morcegos que ela ajudou a criar, mas sim na alegação de que a pandemia da Covid-19 começou como uma fuga do seu laboratório.

O dossiê aponta para a chamada pesquisa de ganho de função em que o Dr. Shi estava envolvido. Tais estudos visam identificar possíveis mutações em agentes infecciosos que podem ocorrer naturalmente e torná-los muito mais perigosos para os seres humanos. A criação de caules com tais mutações no laboratório permite preparar-se para um possível surto, embora tenha sido objetivo de muito debate se vale a pena tal pesquisa pelo risco de liberação acidental ou mesmo ataques de bioterrorismo.

No entanto, no conteúdo do dossiê, as implicações parecem claras: e se a China perdesse o controlo de uma das suas amostras perigosas e fizesse tudo o que pudesse para as encobrir? A suposta ofuscação parece ser o foco principal do documento condenatório. Ele afirma que Pequim estava envolvido em “supressão e destruição de provas”, incluindo através da desinfecção do mercado de alimentos que se acredita ser o ponto zero da pandemia de Covid-19. A China também é acusada de hipocrisia porque impôs uma proibição de viagens internas a partir da província de Hubei, enquanto argumentou contra a proibição de voos internacionais.

“Milhões de pessoas deixam Wuhan após o surto e antes que Pequim bloqueie a cidade em 23 de janeiro”, o jornal citou o documento como dizendo. “Milhares voam para o exterior. Ao longo de fevereiro, Pequim pressiona os EUA, a Itália, a Índia, a Austrália, os vizinhos do Sudeste Asiático e outros a não se protegerem através de restrições de viagem, mesmo quando a RPC impõe restrições severas em casa.”

O dossiê vazado ainda não foi tornado público para uma análise independente. Mas o tom dramático das citações no Telegraph e suas forçadas implicações, indicam que ele está na linha de infames avaliações de inteligência e vazamentos de mídia por funcionários anônimos, prática que têm sido a base da política externa ocidental por décadas. Lembram-se de como Saddam Hussein obteve secretamente urânio amarelo e estava pronto para atacar a Europa com os seus mísseis em 45 minutos? Ou os robôs russos que influenciaram a eleição de 2016 com memes? Se for verdade, podemos esperar muitas revelações nos próximos meses.

Adaptação da publicação da RT