Press "Enter" to skip to content

Cientistas russos criam novos biomateriais que restaurariam ossos em pacientes com osteoporose

Segundo os pesquisadores, este biomaterial permitiria restaurar não apenas os componentes minerais perdidos do tecido ósseo, mas também os componentes orgânicos.

Imagem ilustrativa - Anton Vaganov / Reuters
Imagem ilustrativa – Anton Vaganov / Reuters

Os cientistas da Universidade Nacional de Pesquisa de Samara (Rússia) desenvolveram um novo biomaterial que tornaria possível restaurar certos componentes do tecido ósseo. Na prática, esta propriedade poderia ajudar os pacientes com osteoporose, uma doença que causa aumento da fragilidade óssea e risco de fraturas.

Em recente diálogo com a agência RIA Novosti, Yelena Timchenko, líder da pesquisa e autora de um estudo sobre o assunto publicado em março, explica que este material se baseia no uso do mineral hidroxiapatita, o principal cristal nos ossos e dentes que lhes confere sua dureza característica.

De acordo com Timchenko, ao contrário da hidroxiapatita comum, que atualmente é utilizada para restaurar os componentes minerais dos ossos, seu biomaterial com “hidroxiapatita alogênica”, obtida através de uma tecnologia patenteada única, também lhes daria a capacidade de substituir a seção orgânica. “Este novo material permite a restauração dos componentes minerais perdidos do tecido ósseo para ajustar o tratamento da osteoporose, assim como o componente orgânico, considerado a ‘carcaça’ de todo biótipo”, diz o especialista.

Os pesquisadores avaliaram a qualidade do biomaterial e melhoraram seus métodos de obtenção, enfatizando que não há análogos no mundo de tal material para o tratamento da osteoporose. Da mesma forma, realizaram estudos experimentais sobre a composição do tecido ósseo nesta condição para avaliar as particularidades de sua estrutura em suas diferentes manifestações. Embora esta condição seja causada principalmente por mudanças hormonais relacionadas à idade -prevalentes em mulheres na pós-menopausa – ela também pode ser causada por vôo espacial prolongado na gravidade zero.

De acordo com a NASA, foi demonstrado que os astronautas perderam aproximadamente 10% de sua massa óssea femoral em uma viagem de seis meses ao espaço. Neste contexto, a criação de Timchenko e sua equipe também poderia ser utilizada em ensaios pré-clínicos para avaliar sua eficácia na prevenção da osteoporose, tanto na Terra quanto no espaço.

Tradução e adaptação de conteúdo por Guia Global.
Conteúdo originalmente publicado em RT