Press "Enter" to skip to content

Um tipo especial de luz ultravioleta mata o coronavírus sem prejudicar as pessoas

Quase 100% da SARS-CoV-2 morre em segundos sem causar perigo a saúde humana, de acordo com um grupo de cientistas no Japão.

Utilização de uma lâmpada ultravioleta. Oliver Tsang / Gettyimages.ru
Utilização de uma lâmpada ultravioleta. Oliver Tsang / Gettyimages.ru

Nem toda a luz ultravioleta é tão prejudicial para as pessoas que comprometam sua eficácia na luta contra o coronavírus, diz um estudo realizado por cientistas japoneses. Para erradicar a SARS-CoV-2, a causa da atual pandemia, só é necessário escolher um comprimento de onda específico para eliminar o vírus em diversas superfícies.

Os investigadores, da Universidade de Hiroshima, utilizaram ondas de 222 nanómetros e expuseram uma cultura viral a esta luz durante breves períodos de 10 segundos a cinco minutos. O tempo mínimo já era suficiente para matar 88,5% das cópias do vírus, enquanto que após 30 segundos a eficiência era de 99,7%.

O artigo da equipa japonesa, publicado no início de Setembro no American Journal of Infection Control, admitiu que uma certa quantidade do ácido ribonucleico (ARN) do vírus sobreviveu às experiências in vitro e que a exposição adicional foi inútil. No entanto, estes são números muito baixos e resta determinar se são capazes de infectar uma pessoa com covid-19.

Os investigadores notam que a maioria dos sistemas de desinfecção UV utilizam lâmpadas germicidas que irradiam ondas de aproximadamente 254 nm. Estes são prejudiciais à pele humana e especialmente aos olhos, causando algumas mutações genéticas com um efeito cancerígeno, enquanto ondas de espectro UVC (207-222 nm) mostram as mesmas propriedades germicidas sem prejudicar a saúde.

As ondas utilizadas pelos cientistas têm um comprimento que difere muito pouco do habitual, mas a profundidade da sua penetração na pele ou nos olhos é “muito limitada”. A eficácia desta luz já tinha sido comprovada em estudos anteriores com o vírus da gripe H1N1 e outros agentes patogénicos, mas não se sabia se funciona da mesma forma com o SARS-CoV-2.

Após mais estudos, centrados na segurança e eficácia da propagação do coronavírus na presença de pessoas, um sistema de desinfecção UVC de 222-nanómetros poderia ser utilizado em espaços públicos ocupados, estimam os autores.

Tradução e adaptação de conteúdo por Guia Global.
Conteúdo originalmente publicado em RT