Press "Enter" to skip to content

O que é Mielite Transversa, a doença que colocou a vacina contra o coronavírus de Oxford em pausa?

Ela está relacionada com vários vírus e pode deixar sequelas e deficiências significativas.

Visão geral dos escritórios da AstraZeneca em Cambridge, Inglaterra. Alastair Grant / AP
Visão geral dos escritórios da AstraZeneca em Cambridge, Inglaterra. Alastair Grant / AP

A mielite transversa seria a doença responsável pela paralização no desenvolvimento da vacina contra o coronavírus, que estava sendo realizada pela Universidade de Oxford e pelo laboratório AstraZeneca. Até o momento, nenhuma das entidades o confirmou, embora o New York Times diga ter sido capaz de confirmá-lo.

Esta doença foi alegadamente desenvolvida por um dos 30.000 voluntários participantes dos ensaios que receberam uma dose experimental do medicamento.

Na terça-feira, a AstraZeneca anunciou a interrupção dos ensaios globais da vacina, após um participante do estudo ter desenvolvido uma doença inexplicável.

“Esta é uma ação de rotina que tem que ocorrer sempre que houver uma doença potencialmente inexplicável em um dos testes”, disse o laboratório em uma declaração, observando que um comitê independente revisará os dados de segurança. A empresa também pretende agilizar a revisão para minimizar qualquer impacto potencial sobre o cronograma de testes.

O que é mielite transversa?

A mielite transversa é uma doença neurológica rara que envolve a inflação de ambos os lados de uma seção da medula espinhal. Muitas vezes se desenvolve após sofrer de várias doenças virais.

Os sintomas mais comuns são dores repentinas nas costas, assim como dores na cabeça ou no pescoço. Formigamento, dormência e fraqueza muscular nos pés se desenvolvem mais tarde. Os sintomas podem piorar, resultando em paralisia, perda de sensibilidade, retenção urinária e perda do controle da bexiga e do intestino.

Cerca de um terço das pessoas com esta doença se recupera, outro terço continua com alguma fraqueza muscular e problemas urinários, e um terço pode ficar confinado a uma cadeira de rodas ou cama e precisar de ajuda nas atividades diárias.

Os vírus associados ao desenvolvimento posterior desta doença são: herpes, citomegalovírus, Epstein-Barr, HIV, enterovírus (tais como poliovírus e coxsackievírus), Nilo Ocidental, Echovírus, Zika, influenza, Hepatite B, Caxumba, Sarampo e Rubéola.

Tradução e adaptação de conteúdo por Guia Global.
Conteúdo originalmente publicado em RT