Press "Enter" to skip to content

Aumenta para 20 o número de militares Indianos mortos em confronto com tropas chinesas

Nova Delhi relata que mais 17 de seus militares morreram, após serem “gravemente feridos” no incidente e “expostos a temperaturas abaixo de zero” na região.

Faisal Khan / Anadolu Agency / Gettyimages.ru
Faisal Khan / Anadolu Agency / Gettyimages.ru

A Índia aumentou para 20 o número de baixas no violento confronto com as tropas chinesas no vale de Galwan, na região de Ladakh, na noite de segunda-feira, confirmou o Exército indiano.

De acordo com a mídia indiana, esse comando militar relatou que “17 efetivos das tropas indianas que foram gravemente feridos enquanto cumpriam seu dever na área de confronto, foram expostos a temperaturas abaixo de zero no terreno de alta altitude sucumbiram aos seus ferimentos, aumentando o número de baixas para 20”.

Por enquanto, as tropas indianas e chinesas cessaram as hostilidades na área de Galwan, informou o Exército.

Segundo as fontes citadas por India Today, durante o incidente não foram disparados tiros, mas paus e pedras foram usados para atacar os soldados.

(Divulgação: PTI)

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, disse terça-feira que não estava ciente do incidente. O Ministério também pediu à Índia que não tomasse medidas unilaterais ou criasse problemas.
O editor-chefe do Global Times da China, Hu Xijin, tuitou na terça-feira que o exército chinês “também sofreu baixas no confronto físico no Vale de Galwan”.

Os exércitos indiano e chinês estão envolvidos num confronto há mais de 5 semanas em Pangong Tso, no vale de Galwan, Demchok e Daulat Beg Oldi, no leste de Ladakh. Para resolver a disputa, ambas as partes realizaram uma série de conversações nos últimos dias.

O chefe do exército indiano também relatou na semana passada que “toda a situação” ao longo da fronteira da Índia com a China estava sob controle, e que ambos os exércitos estavam gradualmente “se retirando” do Vale Galwan.

China e Índia mantêm disputas abertas sobre territórios dentro da zona do Himalaia e entraram em conflito em 1962 em uma guerra fronteiriça de um mês, que deixou mais de 10.000 mortos e culminou com a vitória de Pequim.

No final de Maio, Pequim e Nova Deli reforçaram a sua presença militar em áreas disputadas ao longo dos 3.488 km de fronteira sem marcas entre as duas nações, depois que soldados das duas potências nucleares se enfrentaram nas margens do Lago Pangong Tso, no planalto tibetano, em 5 de Maio

A escalada anterior entre os dois países ocorreu em 2017, quando a China começou a construir uma estrada no planalto de Doklam que levou a ameaças de guerra que terminaram em confrontos corporais com troca de socos e pedradas entre soldados de ambos exércitos, até que ambas as potências nucleares concordaram em retirar suas tropas do local no final de agosto de 2017.

Tradução e adaptação de conteúdo originalmente publicado em RT