Press "Enter" to skip to content

EUA ameaçam com “consequências” se a Corte Penal Internacional não parar a investigação contra Israel

O Secretário de Estado americano Mike Pompeo qualifica a tentativa da Corte Penal Internacional de “exercer seu poder fora de sua jurisdição” e de ser uma “ferramenta política”.

Secretário de Estado dos EUA Mike Pompeo durante entrevista coletiva no Departamento de Estado em Washington, 25 de março de 2020 – Andrew Caballero-Reynolds / Reuters

O Corte Penal Internacional pode enfrentar “consequências” se continuar sua investigação sobre possíveis crimes de guerra israelenses nos territórios palestinos. Foi o que disse o Secretário de Estado dos Estados Unidos Mike Pompeo em declaração divulgada na sexta-feira pelo serviço de imprensa do Departamento de Estado.

“Em 30 de abril, o Procurador da Corte Penal Internacional reafirmou sua intenção de exercer jurisdição sobre a Cisjordânia, Jerusalém Oriental e Gaza […]. Não acreditamos que os palestinos possam se qualificar como um Estado soberano e, portanto, não estão qualificados para obter plena adesão ou participar como Estado em organizações, entidades ou conferências internacionais, incluindo a Corte Penal Internacional”, disse Pompeo.

“Um tribunal que tenta exercer seu poder fora de sua jurisdição é uma ferramenta política que faz pouco da lei e do devido processo”, continuou o chefe da diplomacia norte-americana. A investigação da Corte contra Israel é “ilegítima”, disse o secretário de Estado norte-americano, portanto, se o tribunal “continuar em seu curso atual”, haverá “consequências”.

  • Israel lançou uma ofensiva contra a Faixa de Gaza em 2014, alegando que seu único alvo era o Movimento de Resistência Islâmica, conhecido como Hamas, a organização que governa a Faixa de Gaza.
  • A Palestina aderiu oficialmente Corte Penal Internacional em abril de 2015, permitindo ao povo palestino denunciar Israel à instituição por crimes de guerra.
  • Israel nega ter cometido crimes durante a operação militar e acusa o Hamas de causar vítimas civis.

Tradução e adaptação de conteúdo originalmente publicado em: RT