Press "Enter" to skip to content

VÍDEO: Militares venezuelanos capturam sobrinho de Clíver Alcalá e outros sete “terroristas” que participaram da invasão fracassada

Em 3 de maio, um grupo subversivo tentou entrar em território venezuelano ao longo da costa norte-central do país a bordo de lanchas rápidas, que foram interceptadas e repelidas pelas forças de segurança.

Twitter

O Comando Estratégico Operacional das Forças Armadas Nacionais Bolivarianas, através de sua conta no Twitter, anunciou a captura neste domingo à noite de 8 “terroristas mercenários” que participaram da tentativa fracassada de incursão na Venezuela no último 3 de maio.

Entre os mercenários capturados está o sobrinho do major general aposentado Clíver Alcalá Cordones, recentemente deportado para os EUA após ser acusado de tráfico de drogas e admitir seus planos de mobilizar armas para território venezuelano, com o apoio do congressista de oposição Juan Guaidó, para assassinar o presidente Nicolás Maduro e altos funcionários do Chavismo.

Os detentos, sete homens e uma mulher, foram localizados e presos por membros da FANB e do poder popular na área de Petaquirito (estado de La Guiara).

O grupo era liderado por José Ángel Barreno Cordones, sobrinho de Clíver Alcalá Cordones, um fugitivo da justiça, e incluía também José Antonio Moreno Peñaloza, José Rafael Blanco, Miguel Plaza Méndez, Samira Romero Armando, Ricardo Fonseca Mosquera, Rafael Rosendo Rivero e Óscar Aguillón Garcés.

Desde a tentativa fracassada de ataque, as forças de segurança da FABN foram destacadas para a área em busca dos mercenários envolvidos na chamada “Operação Gideon” e até agora conseguiram capturar mais de 30, incluindo dois ex-militares norte-americanos.

Ataque fracassado

Na madrugada de 3 de maio, um grupo subversivo tentou entrar em território venezuelano ao longo da costa norte-central do país a bordo de lanchas rápidas, que foram interceptadas e repelidas pelas forças de segurança. Vários participantes da tentativa fracassada de invasão foram capturadose.

Na quarta-feira passada, o presidente venezuelano Nicolas Maduro denunciou que “não há dúvida” da participação do presidente colombiano Ivan Duque na tentativa fracassada de incursão marítima. Maduro disse que Duque recebeu a ordem para participar desta manobra de seu homólogo americano, Donald Trump.

Anteriormente, o presidente venezuelano mostrou um vídeo no qual Luke Alexander Denman, oficial militar americano de 34 anos envolvido no ataque falhado, confessou as tarefas que realizou na Colômbia, antes da operação do último domingo, que tinha como objetivo sequestrar Maduro.

Colômbia e EUA negam participação

Em 3 de maio, o Ministério das Relações Exteriores da Colômbia negou a participação do país na manobra contra a Venezuela. “Esta é uma acusação infundada, que tenta envolver o governo colombiano em uma trama especulativa”, diz Bogotá.

Por sua vez, Duque declarou na sexta-feira passada que “não patrocina invasões ou qualquer tipo de truque” em resposta às acusações feitas pelo seu homólogo venezuelano.

Enquanto isso, o presidente Donald Trump e os secretários de Estado e de Defesa, Mike Pompeo e Mark Esper, respectivamente, falaram a partir dos Estados Unidos.

“Se estivéssemos envolvidos, teria sido diferente”, disse Pompeo na quarta-feira passada.


Tradução e adaptação de conteúdo originalmente publicado em : RT