Press "Enter" to skip to content

O fundador do Telegram lista algumas razões pelas quais não vale a pena se mudar para o Vale do Silício e expõe as deficiências da vida nos EUA.

“Sinto que é meu dever falar sobre as deficiências da América para alertar a nova geração de empresários contra a repetição dos erros de seus antecessores”, anunciou Pavel Durov.

Publicado originalmente : RT
Traduzido e adaptado para o Português

O fundador e CEO do Telegrama, Pavel Dúrov. Albert Gea / Reuters

O fundador e diretor executivo do telegram, Pavel Dúrov, contou em seu blog as 7 razões pelas quais, segundo ele, não vale a pena se mudar para os EUA. Dúrov explicou que decidiu fazer a publicação após assistir ao documentário do jornalista russo Yury Dud sobre o Vale do Silício, uma área no Estado da Califórnia onde se concentram as sedes de grandes empresas de tecnologia, e a vida que os empresários russos levam lá.

“De todos os empresários conhecidos [no documentário] já ouvi mais de uma vez falar das desvantagens da vida na América. Agora um deles passa metade de seu tempo na Rússia, o outro está de volta à Europa há vários meses, o terceiro está desiludido com os americanos e está construindo uma ‘pequena Rússia’ ao seu redor”, escreveu Dúrov em 7 de maio.

“Sinto que é meu dever falar sobre as deficiências da América para alertar a nova geração de empresários contra a repetição dos erros de seus antecessores”, diz a publicação. O fundador do Telegram passou então a enumerar as facetas supostamente vulneráveis dos EUA que deveriam desencorajar os interessados em mudar para o seu território.

Primeiro, Dúrov descreveu os EUA como “um estado policial duríssimo com um alto nível de detenções”. O empresário mencionou que em 2016 também sofreu pressões do FBI durante uma viagem a São Francisco. Ele também considera seu sistema de saúde “ineficiente e caro”, um fator que o torna inacessível, especialmente para os imigrantes. Dúrov disse que, além disso, em média, os residentes dos EUA não podem ser considerados “saudáveis”, uma vez que estão em primeiro lugar nos problemas de obesidade entre os países desenvolvidos.

O próprio Vale do Silício é descrito como “uma cidades com uma vida cultural limitada”, enquanto sua cidade mais próxima, São Francisco, tem uma alta taxa de criminalidade e um grande número de desabrigados. Em termos educacionais, “a qualidade do ensino médio nos EUA é menor do que em outros países desenvolvidos”, diz Dúrov.

Outro problema levantado são os altos impostos no país, e que seus “bem-sucedidos” residentes são obrigados a tributar mais da metade de seus ganhos para o Estado. Além disso, o empresário advertiu que o país americano é o único Estado do mundo que continua exigindo de seus cidadãos impostos de renda, mesmo depois que eles deixam o país.

A lista termina com os custos de trabalhar com programadores locais para administrar um negócio de tecnologia nos EUA, razão pela qual os migrantes preferem trabalhar com especialistas da Europa Oriental, além das “fracas perspectivas de mercado existentes no século XXI”. O fundador do Telegram enfatizou que nos últimos anos, grandes projetos de redes sociais, como o TikTok, nasceram fora do Vale do Silício.

Os Estados Unidos não são o melhor lugar para se viver ou fazer negócios de TI”, concluiu Dúrov, acrescentando que “os direitos humanos e as liberdades são muito mais bem protegidos nos países do norte e centro da Europa, enquanto o crescimento econômico no século 21 está concentrado nos países asiáticos”.

“Os EUA ainda podem atrair alguns empresários e desenvolvedores de todo o mundo com o dinheiro de seus investidores, mas mudar para os EUA hoje é semelhante a comprar um ativo no seu valor máximo”, disse o empresário russo.

Publicado originalmente : RT
Traduzido e adaptado para o Português