Press "Enter" to skip to content

O prefeito da cidade brasileira de Manaus pede ajuda a Greta Thunberg para combater coronavírus

Arthur Virgílio Neto disse que seu povo “sofre” com a pandemia do covid-19 e que tanto a Amazônia como as florestas “devem ser salvas”.

Greta Thunberg. 5 de março de 2020 – .Johanna Geron / Reuters

Em meio à crise sanitária enfrentada pelo Brasil devido à pandemia do coronavírus, o prefeito da cidade de Manaus (Estado do Amazonas) solicitou neste sábado à ativista ambiental Greta Thunberg que exerça “toda sua influência” para ajudar a combater o covid-19 em sua cidade.

“Há que salvar as vidas dos protetores das florestas, salvá-los do coronavírus. Estamos diante de um desastre, uma barbaridade”, assinalou o prefeito Arthur Virgílio Neto em um vídeo publicado em sua conta no Twitter dirigido à adolescente sueca.

Virgílio Neto pediu a Greta que exerça “toda sua influência”, reconhecendo a “capacidade de compaixão pelos demais” que tem a ativista. ” Meu povo sofre e é por isso que lhe dirijo estas palavras. Ajude a Amazônia, a Amazônia e as florestas devem ser salvas”, concluiu.

Manaus enfrenta uma das situações sanitárias mais precárias do Brasil, com 165 internados em unidades de cuidados intensivos (UCI), e com uma cifra de infectados que já ascende a 3.658, segundo dados do Governo apresentados em 2 de maio.

O seu sistema de saúde público está atualmente sobrecarregado, e na cidade também foi obrigada a cavar valas comuns para enterrar os mortos. Virgílio Neto declarou anteriormente estar presenciando “cenas de terror” ante a incapacidade de enterrar as pessoas falecidas.

O prefeito da cidade também criticou de suas redes sociais a posição do presidente Jair Bolsonaro, que resiste a implementar medidas restritivas para limitar o avanço da pandemia, como a quarentena obrigatória: “Me preocupa a atitude do presidente”, escreveu.

A ativista ambiental Greta Thunberg doou 100.000 dólares esta semana ao Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) para proteger as crianças dos estragos da pandemia.

Fonte RT