Press "Enter" to skip to content

Arreaza pede a EUA que deixe de usar a Venezuela para “ocultar seus fracassos” na luta contra o coronavirus

O chanceler considerou que é “responsabilidade exclusiva” de Trump que EUA tenha ultrapassado o milhão de casos de covid-19 e mais de 60.000 mortes.

Chanceler da Venezuela, Jorge Arreaza, durante entrevista coletiva em Caracas. 30 de agosto de 2019. – Carlos Jasso / Reuters

O ministro do Exterior da Venezuela, Jorge Arreaza, exigiu nesta quarta-feira queo governo de Donald Trump deixe de usar a Venezuela “para ocultar suas culpas e fracassos” na luta contra o coronavírus.

Para Arreaza, o fato de que na América se registrem mais de um milhão de casos positivos de coronavírus e o número de mortes ultrapasse as 60.000, “é responsabilidade exclusiva” do governo de Trump. “Tenham a coragem de atender a sua crise humanitária”disse o chanceler, que também mencionou o severo impacto econômico que a pandemia gerou em território norte-americano.

O chanceler venezuelano ressaltou que uma pandemia tão grave “não se combate fabricando conspirações, nem prescrevendo desinfetantes”, pelo que recomendou que a Marinha norte-americana se dedique a atender os casos positivos entre seus efetivos, em vez de arriscá-los “em operações fictícias de distração mediática”.

Em contraste com a gestão dos EUA. Face à pandemia, Arreaza destacou que a luta da Venezuela contra o coronavírus permitiu a recuperação de 43 % dos infectados até agora detectados, com uma taxa de letalidade de 0,3 mortos por milhão de habitantes.

De momento, os EUA ainda são o país com mais positivos por coronavírus no mundo, com 1.030.487 até esta quarta-feira. Além disso, o número de mortes por coronavírus é superior a 60.000.

Mais cedo, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, afirmou que seu país se prepara para reabrir a Embaixada na Venezuela “quando chegar o dia de uma transição”.